domingo, 28 de setembro de 2014

Negócios Paralelos


É relativamente comum ver empresários se envolvendo em mais de um negócio. Independentemente do tamanho da empresa. Grandes executivos costumam ser conhecidos pelos cargos que ocupam na sua atividade principal mas boa parte deles mantém um ou dois negócios paralelos. Pequenos empresários começam a também ter esse olhar. Em momentos de incerteza, atuar em mais de uma área parece uma boa opção, principalmente em negócios que sofrem pela sazonalidade ou pensando em uma aposentadoria mais tranquila.

A múltipla atuação pode trazer tanto benefícios quanto ser perigosa. Tudo depende da capacidade de gestão, principalmente do tempo. O alto executivo costuma ter para quem delegar tanto algumas das atividades de sua ocupação principal quanto de seus negócios "menores". Tanto isso acontece que nem sempre sabemos dos negócios paralelos (vamos nos ater aqui a atividades lícitas) dos altos executivos. Já para o pequeno empresário fica mais difícil. Ele precisa ser atuante em todas as frentes que abre, ou seja, praticamente todo mundo sabe que ele tem mais de um negócio.

Além da gestão do tempo, há o risco do que chamamos de "crise de identidade". Mas o fulano faz isso ou aquilo? Ou ainda, o grande executivo que tem mais de um negócio costuma ser visto como visionário, enquanto o micro ou pequeno empresário pode ser visto ou como "desesperado" ou que o seu negócio principal não vai bem.

Preconceito e imagem


Há uma grande dose de preconceito nesse raciocínio. A boa gestão é fundamental em um negócio mas ele sofre também de fatores externos como sazonalidade ou dependendo da área é mais ou menos afetado por determinados movimentos da economia. Empresas de construção sofrem na época das chuvas. Consultorias costumam ter baixa no entre novembro e o carnaval e assim por diante. Proprietários desse tipo de empresa podem optar ou pelo investimento extra no momento de "alta" ou pela manutenção de um negócio cuja alta seja justamente na sazonalidade do outro.

Há também a questão de tempo e preço tanto de produtos quanto de serviços. Alguns segmentos de mercado têm negociações longas de contratos e apenas trabalhos de grande monta. Quando é possível agregar pequenos produtos e serviços de giro rápido e valores mais acessíveis ao negócio principal pode de ter opção de giro de caixa o tempo todo. Quando não, um negócio paralelo que tenha justamente essa característica pode contrabalancear.

Os negócios podem ser diferentes, mas não devem ser conflitantes. Se você tem uma empresa de produtos orgânicos, por exemplo, pode ter sua imagem comprometida ao abrir um negócio de fertilizantes químicos. Independentemente do caso, a gestão da identidade e a gestão do tempo são fundamentais. Negócios paralelos, mesmo que sazonais devem ser tocados o ano todo, mesmo que com mais ou menos dedicação em uma ou outra época.

Também não há problema que o mercado saiba de todos os seus negócios. A questão – muito delicada – é como fazer com que isso aconteça. Eles são paralelos, ou seja, em cada ocasião você está representando apenas um deles. E a postura em um é a mesma a ser mantida em outro. Você tem dois ou mais negócios e não duas ou mais personalidades. Caso contrário pode parecer desesperado ou oportunista. Se encarado como um empreendedor com visão multidisciplinar ou um profissional que precisa de muitas fontes porque não consegue crescer em nenhuma vai depender primeiramente de como você se vê. E depois de como você coloca a notícia para o mundo.