quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

A falta que o treinamento faz


Em busca de um guarda-roupa novo reafirmei minha teoria de que treinamento não pode ser classificado como despesa, mas como investimento. O empresariado, muitas vezes ainda míope no Brasil, em busca de economizar “centavos”, acaba, sem perceber, comprometendo sua empresa em longo prazo. E depois, na hora do desespero, reclama dos funcionários. 

Lembrando que treinamento não é algo a ser feito quando está sobrando dinheiro. É investimento de longo prazo para que não falte dinheiro em longo prazo. 

“Ah, mas eu pago treinamento e depois o funcionário vai embora”. O risco existe? Sim, mas é bem menor para uma empresa que ofereça perspectivas e saiba combinar uma boa contrapartida desse funcionário, como permanecer na empresa por pelo menos mais X tempo.

Voltando ao exemplo das lojas. Primeiramente fui procurar o que precisava no comércio local. Sim é fator primordial de desenvolvimento valorizar o comércio local. Não encontrei o que eu queria. Parti então para as grandes redes. Na primeira delas, vi um modelo modulado que me agradou muito. Chamei a vendedora e passei as medidas do meu quarto para compormos as peças. Perguntei se podíamos fazer a montagem no computador, ela disse que não tinha esse sistema. Pegou uma calculadora e, mal olhando para mim, disse: o que a senhora quer não cabe no seu quarto. Simples assim. 

O mesmo produto

Triste, porque eu realmente havia gostado do guarda-roupas, fui até outra loja, de uma rede concorrente. Chegando lá deparei com o mesmo guarda-roupa e pelo mesmo preço. “Vou tentar novamente” pensei. Veio então um vendedor bastante simpático e mostrei para ele a as medidas do meu quarto. Ele olhou, olhou... pegou uma folha de papel e me disse: não temos como fazer o desenho no sistema mas vou desenhar uma perspectiva aqui à mão para vermos. 

Desenhou, analisou e sugeriu que, se eu trocasse dois dos módulos de lugar, o encaixe no meu quarto seria perfeito. Perguntei a ele onde havia aprendido a desenhar em perspectiva e ele me respondeu: fiz um treinamento aqui na loja, e a cada dois anos fazemos reciclagem sobre como desenhar os ambientes.

Eu poderia parar este artigo por aqui, pois a mensagem já teria sido passada, mas quero realçar um detalhe: nas duas lojas o guarda-roupa estava pelo mesmo preço. Por quê? Porque a segunda loja sabe que treinamento não é despesa, é investimento. Afinal, o que a loja faturou ao atender um cliente, no caso eu, certamente cobriu a despesa do treinamento do rapaz e, pelo menos, uma das reciclagens bienais que ele faz. Mas, infelizmente, vemos ainda muitos empresários querendo que o funcionário já venha “pronto” para não ter de “gastar” com ele. Com esse pensamento todos perdem: a loja por desperdiçar talentos que precisavam ser apenas “preparados” e o profissional, que não cresce e o cliente que precisa rodar muito para comprar.