segunda-feira, 12 de março de 2012

Coaching, Comunicação e Sustentabilidade

Em um primeiro momento, esses três temas podem não parecer correlatos, mas estão intrinsecamente ligados, e dependem um do outro muito mais do que se imagina. Por isso, conectar essas três áreas não resulta em um leque amplo demais, pelo contrário. Desde que todas sejam tratadas com a profundidade e com o embasamento teórico e prático requeridos.

Sustentabilidade - necessidade de visão sistêmica

A começar pela sustentabilidade, termo tão em moda, mas que poucos utilizam levando em conta seu verdadeiro significado. Constantemente associada apenas à questão ambiental, a sustentabilidade é bem mais do que proteger florestas e os seres em que nelas vivem. É a manifestação prática do termo “visão sistêmica”, em cada atitude cotidiana. Termo esse tão propagado por Peter Senge, um dos principais teóricos da gestão empresarial do fim do século 20 e início deste.

É conseguir abrir e refinar a mente para que se consiga enxergar em uma mesma situação quais os aspectos sociais, ambientais e econômicos nela presentes, mesmo que em um simples ato. Projeto social que não respeita o ambiente e não tem viabilidade econômica não se sustenta. Defesa ambiental que não leva em conta as pessoas e a economia não se preserva.  Desenvolvimento econômico que negligencia as questões ambientais e sociais não vai muito longe, pelo menos de maneira eficaz. É importante lembrar que crescimento e desenvolvimento econômico não são sinônimos. O primeiro se baseia apenas em equações numéricas e costuma apresentar fragilidades; já o segundo tem bases amplas e sólidas e tende a oscilações bem menos abruptas, quando acontecem.

Comunicação – é possível aprender e ensinar

Entender e aplicar os princípios da sustentabilidade são fundamentais, mas não bastam. É preciso tornar perceptíveis as ações e o conceito em que elas foram baseadas. Daí a necessidade de saber comunicar bem. Comunicar bem – tudo o que se faz independentemente do tema ou do contexto - é mais do que passar a mensagem. É ter a certeza da compreensão do outro. É se privar do julgamento pífio de “eu falei, ele é que não entendeu, então não tenho culpa.” Se o outro não entendeu, tenha certeza, que você comunicou de forma errada e é responsável por isso. 

Para levar a mensagem de forma eficaz e tornar a comunicação uma via de mão dupla, em qualquer situação e sobre qualquer assunto, são necessários, basicamente, dois elementos. O primeiro deles é conseguir enxergar outro. Sair de dentro do seu mundo, dos seus conceitos e preconceitos; abolir a palavra “óbvio” de seus pensamentos (o que para você é óbvio para o outro pode ser complexo ou até desconhecido) e entrar no outro de maneira que ele compreenda, e a partir dos referenciais e da linguagem do receptor.  Mais do que dom, para se comunicar bem é necessário técnica (o segundo elemento). A boa notícia é que técnicas de comunicação podem ser aprendidas e ensinadas. Desde que haja disposição em pensar de maneira sistêmica e se tenha como objetivo a compreensão do interlocutor, e não apenas a sua necessidade de dizer algo.

Coaching - definir uma meta e chegar lá

Nem sempre é fácil chegar lá de maneira sustentável e clara para os envolvidos. Muitas vezes é difícil enxergar todos os caminhos, limitações e possíveis resultados quando se está envolvido em um problema ou situação. Daí a necessidade de um processo de coaching. E isso para qualquer desafio, não só os de sustentabilidade. Diferentemente de uma consultoria tradicional, o processo de coaching não tem fórmula ou receita. Usa ferramentas embasadas em metodologias científicas para sair do estágio onde se está e chegar aonde se quer. O processo pode ir pelos caminhos mais diversos, dos mais tradicionais aos mais inovadores. 

É um trabalho individual feito de maneira diferente para cada coachee (aquele que contrata o serviço de coaching), pois leva em conta, além dos seus objetivos, sua personalidade, seus valores e suas crenças. É construído em conjunto com o coach (aquele que é contratado para prestar o serviço de coaching), sempre embasado na visão sistêmica das situações e na boa comunicação com todos os públicos. Coaching não precisa, necessariamente, estar ligado à carreira. Pode ser voltado para algum aspecto pessoal ou até aplicado em equipes ou departamentos que queiram superar obstáculos ou alcançar metas.

Enfim são três áreas que se relacionam com intimidade e nas quais o meu trabalho profissional pode lhe ajudar. Semanalmente vamos falar sobre esses três assuntos neste blog. Juntos ou alternadamente. Caso queira me contatar para um trabalho pessoal ou em sua empresa em qualquer uma dessas três áreas, envie uma mensagem para karengim@gmail.com ou telefone para (11) 9114-2681.